terça-feira, 21 de março de 2017 0 comentários

Por uma nova ou velha emoção

Eis a alma do infeliz poeta:
Em contemplação, alheamento;
Distraída em todo e cada momento,
Sonhadora, ansiosa, inquieta.

Perdida no labirinto do esteta,
De pé atrás, insegura do seu talento,
Buscando palavras que voam no vento
Ansiando só por uma estrofe completa…

Em demanda de imagem ou sugestão,
Ideal inteiro ou vislumbre de visão,
Júbilo imenso ou curta amargura.

Assim é o espírito em tortura:
Porfiando vida fora, na procura
Por uma nova ou velha emoção.

- 21 de Março de 2017

quinta-feira, 16 de março de 2017 0 comentários

In my heart I will still be a child

First came the age to dream
Of fables and stories untold
Magic woven to delight and beguile.



Then came the age of strong whim
Of fierce beliefs and ideas bold;
The time to run, fast and wild.



Sometimes things're not as they seem
Comes the age when I mature, grow old
And its burden makes me quiet and mild.



But as long as I keep the will to scream,
Look to the world as a wonder to behold,
In my heart I will still be a child.

- 16th March 2‎017



segunda-feira, 6 de março de 2017 0 comentários

A cor de todas as manhãs do Mundo

Um dia um sábio não disse nada.
Sobre vida, homens, tempo, ficou mudo.
E nada dizendo, de certo modo disse tudo
Sobre o vazio da Palavra falada.



Talvez o Silêncio seja forma pausada
De gritar a nossa Alma de jeito sisudo,
De concluir sem ruído, reflexão ou estudo,
Beber a Vida e amá-la como deve ser amada.

E o silêncio em si encerra e oculta
Mistério que devagar se revela,
Segredo único e profundo.

E no silêncio enfim se soergue e avulta
Luz, diferente para cada um; mas sempre bela,
A cor de todas  as manhãs do Mundo.

- 4 de Março de 2017

0 comentários

O rosto da Senhora que se ama

Senhora, faz tempo que nada te escrevo;
Quer palavra solitária ou versos mil,
Escrevinhados com pressa febril
Ou desenhados com lento enlevo...

Senhora, te juro: se mantém teu relevo,
De tua alma, tão luminosa e ‎gentil.
Se minha rima se tornou escassa ou subtil,
‎À veloz vida, falta de tempo o devo.

Senhora, te rogo: não é desencanto.
De ti sempre guardo pasmo e espanto,
Da mulher de tão fogosa chama.

E se falta de tempo for minha desdita,
Quando possa, sempre cante e repita
O rosto da Senhora que se ama.

- 3 de Março de 201‎7
terça-feira, 14 de fevereiro de 2017 0 comentários

My eternal courtship and woo

Just a small, minor token
Of my appreciation of you;
Vows implied and unspoken;
A trifle acting as a subtle clue.

Thus was my lady's love awoken,
Thus was seduction sparked anew.
And these lures are steady, unbroken
My eternal courtship and woo.

- 14th February 2017

sábado, 14 de janeiro de 2017 0 comentários

E pouco tempo sobra para falar de amor

Do tempo que escrevia em jeito frenético
Hoje sinto que pouco ou nada resta.
Longe vão os tempos que ensaiava gesta,
Cantada em tom saudoso ou poético.

Meu verso se tornou estranho, hermético,
Seu tom até a mim soa a fim de festa.
Vagueio em mundo de parca Funesta;
Me assalta receio de me tornar um céptico.

Mas talvez não; talvez seja só cansaço,
Ennui, spleen, tédio, quiçá saudade.
Talvez seja apenas sentir minha idade.

Ou apenas porque tempo se tornou escasso,
Os dias já são pequenos para família e labor,
E pouco tempo sobra para falar de amor.

- 11 de janeiro de 2017
sexta-feira, 11 de novembro de 2016 0 comentários

E te sentirias como por vezes me sinto

Se todos os dias te desse uma rosa,
Ela não seria mais ou menos flor,
Não perderia aroma nem cor
Nem quiçá seria menos formosa.

E se ta desse apenas em data rigorosa
Teria ainda assim afecto e único valor;
Mas, quem sabe, não teria o mesmo sabor
Nem despertaria em ti paixão fogosa.

Se, ao invés, ta desse só por ter vontade,
Sem ligar a dia, ocasião ou oportunidade
Guiado apenas por súbito instinto,

Sentirias tu, porventura, réstia de saudade
Do tempo do cortejo e sua curiosidade;
E te sentirias como por vezes me sinto.

- 11 de Novembro de 2016
sexta-feira, 28 de outubro de 2016 0 comentários

Without you I am no longer complete


You are simply who you are.
Neither more, nor less;
But you're a woman without par
And that, in itself, is such a bless.

Sometimes you look a remote star,
Shining with shyness and noblesse;
Other times you seem closer than far,
Close enough for a gentle caress...

Thus you are; beauty beyond anyone's guess,
Passionate, fiery, and ever so sweet:
From dawn till dusk, I dream and obsess

Of this woman that swooped me of my feet;
Thus I must unbashedly confess:
Without you I am no longer complete.

- 28th October 2016




sexta-feira, 21 de outubro de 2016 0 comentários

E trazer a feliz e boa rotina

Dos gestos mil vezes repetidos
Que varrem anseio e alma descansa;
Dos trilhos tantas vezes percorridos,
Que do hábito nasce a confiança.

Das músicas e sons, amiúde ouvidos
Que para sempre ficam de lembrança,
E das lendas e contos, lidos e trelidos
Que despertam o sorriso de uma criança.

Por vezes o hábito faz o monge;
Com o uso de mansinho se vai longe;
E a sabedoria sussurra em surdina.

E mesmo que prática não traga perfeição,
Ajuda a repelir anseio e inquietação
E trazer a feliz e boa rotina.

- 21 de Outubro de 2016



quinta-feira, 25 de agosto de 2016 0 comentários

A que toda alvorada e ocaso vejo

Eu não sei explicar o Amor duradouro
Excepto pelas suas alusões ou sinais.
Esteja perdido em conversas triviais,
Visível em risos de bom agouro,

Ou motivo de zanga ou choro,
É cousa que não se olvida jamais:
O Amor existe, sem nuncas ou jamais,
Somente porque é imorredouro.

Seja apenas secreto tesouro,
Dor que fere fundo como punhais,
Calmas bonanças ou violentos temporais,
Não o quero como prémio, palma ou louro.

Não, do Amor a Ela sempre desejo:
A que toda alvorada e ocaso vejo.

- 25 de Agosto de 2016



Quero ser Eu plenamente:
Eu, o possesso do Pasmo.
- Todo o meu entusiasmo
Ah! Que seja o meu Oriente!

- Mário de Sá Carneiro
 
;